banquinhos-do-nemo

Piscina de bolinhas gigante

Nessas férias um dos melhores programas que fizemos com nossa filha foi levá-la a piscina gigante de bolinhas, no shopping Mooca.

Não sei se demos sorte, mas o shopping não estava muito cheio. Tanto que encontramos vaga para estacionarmos o carro rapidamente.

Fomos até a área de lazer onde se encontrava a piscina da bolinhas. Perto do local haviam outros brinquedos que pareciam divertidos. Como um pula-pula elástico em que amarrava as crianças em cordas de elásticos e jogavam as crianças para cima.

pula-pula-elastico

Mas, pelo fato de nossa filha ter apenas 2 anos achamos melhor não  abusar da coragem dela. Nem do risco de perdermos a guarda caso tivesse alguém do conselho tutelar no local.

Entramos na fila para a piscina de bolinhas, que tinha como tema o filme “Procurando Dory”.

piscina-de-bolinhas-procurando-dory

A fila apesar de grandinha não era muito demorada.

Porém, a espera me fazia pensar se valeria a pena ir na piscina de bolinhas. Afinal de contas o preço é de R$15,00 por 15 minutos.  Iríamos eu, mulher e filha. Seriam R$45,00 torrados em 15 minutos.

Tentei argumentar e falar para irem somente minha mulher e a neném. Obviamente não obtive sucesso.

Chegou nossa vez de entrarmos e avisaram que por ser a primeira vez que íamos, tínhamos o direito de ficarmos 20 minutos.

Para entrar é preciso tirar os sapatos, que ficam misturados com o de todos os outros que estavam no brinquedo. E tínhamos que deixar a bolsa com as coisas da neném também. Claro que bate aquela insegurança. Qualquer um poderia passar ali e levar mais de um par de sapatos.

Mas, enfim… Deixamos as coisas no chão e entramos no brinquedo.

Vou te dizer uma coisa: QUE DIVERSÃO!

Brincamos como se nós 3 tivéssemos a mesma idade.

Tem uns puffs para subirmos onde estavam uns banquinhos do Nemo. Dava para pularmos de cima desses puffs nas bolinhas.

banquinhos-do-nemo

Tinha um pequeno labirinto, como aqueles em buffet infantil. No final dele havia um escorregador.

O escorregador, na verdade, é somente para as crianças. Mas, a moça que tomava conta do escorregador na hora que fui acho que não sabia disso e eu pude escorregar com minha filha. Não sem antes passar um pouco de vergonha.

O escorregador fica no final desse labirinto. Um local com o teto um pouco baixo para minha altura. Eu não estava muito confortável em pé lá dentro. E tenho dificuldades para ficar agachado por muito tempo depois de ter operado os dois joelhos.

As crianças um pouco maiores chegavam ali e começaram a passar na frente da minha filha. A moça que estava sentada ao lado do escorregado cuidando do acesso não estava estabelecendo nenhuma ordem. Então fui obrigado a agir. Um leve empurrãozinho na criança que entrou na frente da minha filha fez com que ficássemos sendo os próximos a descer.

Peguei minha filha, coloquei uma perna no escorregador, sentei e coloque minha filha na minha frente. Fui colocar a outra perna, porém não conseguia. Estava entalada para trás e não dobrava mais. Assim não conseguia botá-la dentro do escorregador.  Olho para baixo e vejo as mães, que esperavam seus filhos descerem, com máquinas fotográficas em mãos e já começando a rirem da minha situação.

perna-presa

Precisava fazer algo rápido. E fiz!

Fui um pouco mais para trás para poder ter espaço e colocar a outra perna dentro do escorregador. Porém, ao ir um pouco mais para trás percebi que sentei em algo macio. Pensei que algo estava estranho. De repente ouço uma voz:

– Meu Deus!

E ouvi risos.

Tive a certeza que eu estava sentado no colo da moça que cuidava do escorregador.

Coloquei a outra perna logo para dentro e desci aquilo o mais rápido que pude.

escorregador-procurando-dory

O vexame passado possibilitou me soltar mais na piscina de bolinhas.

Pulei igual criança de cima dos puffs. Empurrei minha mulher, jogamos nossa filha de um lado para outro…

Foi uma diversão! Tanto que podia sentir o suor escorrendo pelas costas.

Deu os 20 minutos e resolvemos ficar mais 5. A vontade era ficar mais 2 horas lá dentro.

Saímos, apesar da relutância da nossa filha que queria ficar mais.

Pegamos nossos tênis e a bolsa da neném sem o menor problema e fomos pagar.

Enquanto pagávamos vi que minha filha saiu andando. Acompanhei com os olhos e ela estava subindo a rampinha para voltar para o brinquedo. Nem se importava se não fossemos juntos.

Porém uma funcionária , rindo, segurou ela.

Saímos e fomos comer. E ela falando que queria voltar no brinquedo.

Saímos do shopping e ela disse:

– Não! Não vamos embora do shopping.

– Por que, filha?

– Pá ir na pixina de bolinha.

Sim, o passeio valeu muito a pena!

A piscina de bolinhas não está mais no shopping Mooca. Mas, se procurar no Google devem encontrar em algum outro lugar.

Diversão garantida!

 

3 comentários em “Piscina de bolinhas gigante

  1. Adorei a aventura contada. Ela é muito linda e tenho certeza que iria sozinha sem se importar com a presença dos pais,rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *